Subscribe Twitter Facebook

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Vamos falar sobre conversão?

Eu já havia falado um pouco de como entra a questão da religião no meu relacionamento aqui , mas resolvi retomar este assunto pois eu queria expor uma reflexão minha e o meu ponto de vista acerca desse tema, que pra mim é um dos mais delicados em um relacionamento intercultural.





Religiões por si só são delicadas, elas existem desde que o mundo é mundo e tiveram e tem forte influência na construção e criação do modo de vida e do que chamamos de sociedades, ela engloba não só rezas, mas também dogmas que milhares de pessoas ao redor do mundo seguem a risca.

Mesmo assim, nos dias de hoje, muitas pessoas, principalmente os jovens não são fielmente religiosos, podem possuir um segmento religioso porém não o praticam e não são tão antenados nas questões religiosas por "n"motivos . Há também os que não possuem ou não gostam de religião por simplesmente acharem isso bobagem, ou porque não se identificam com nenhuma e claro que todos tem direito de gostarem daquilo que acham melhor para si. Não estou aqui pra julgar ninguém, somente estou expondo o que eu penso sobre o assunto.

Apesar de tudo, essas pessoas nem tão religiosas (ou pelo menos uma parte delas) quando pensam em se casar, pensam em alguém que seja do mesmo segmento religioso que elas, porque por mais que elas não pratiquem a religião, elas foram criadas nesse universo religioso (por exemplo aqui no Brasil, o cristianismo é a religião majoritária e, apesar de ser um país laico, muitas datas cristãs são comemoradas, como o Natal) ou porque a família (pai, mãe, avós) são religiosos na maioria dos casos, e sonham em ver as filhas entrando na Igreja de véu e grinalda.

Mas e quando você se apaixona por alguém de religião diferente da sua? É aí que entra a reflexão, pois acredite, isso pode ter um grande peso no seu relacionamento e até mesmo no futuro dele.

Relacionamento interreligioso pode dar certo? Claro que sim, pois caso não desse certo este blog nem existiria. 

Voltando à questão da reflexão quando ambos possuem religiões diferentes. É preciso que você tenha em mente que você não pode mudar uma pessoa do dia pra noite, também acredito que se a pessoa não está a fazer nada de errado, você nem deve tentar mudá-la por mero capricho seu. Forçar alguém a seguir a mesma religião que você e vice-versa, é nada saudável, ainda mais usando o pretexto de "prova de amor". Amar também inclui em aceitar as diferenças daquele que você ama, pois assim como você também possui defeitos, ele também possui, ninguém é perfeito.

Se você realmente ama essa pessoa e pensa de uma maneira mais aberta, vai tirar isso de letra (creio eu), mas ainda sim é necessário refletir em alguns pontos. Pois por trás de todo esse amor que ambos sentem um pelo outro vem também as tradições, o modo de vida, os rituais e também algo muito importante chamado: família.

Óbvio que você não é obrigada a se converter por conta dessas diferenças, mas é super válido e necessário ambos conversarem e esclarecerem pontos juntos, assim como você parar e conversar com o seu eu interior. Pois relacionamentos nem sempre transitam por um mar de rosas, então antes que o mar de rosas desapareça é melhor buscar as respostas de alguns questionamentos, tais como: 

Casamento: Quando formos nos casar, teremos cerimônia religiosa? Em qual?

Tradições: Sei lidar bem o suficiente com as tradições religiosas dele? E ele com as minhas?

Família: Como a família dele vê isso? E a minha?

Festividades religiosas: Em datas religiosas importantes vou respeitar os rituais que cada uma delas impõe? 

Vida em sociedade: Participarei de reuniões religiosas dele? E ao contrário ? 

Filhos: E os nossos filhos serão criados em qual religião? (no meu caso isso foi explicado no post citado no começo do texto)


Pode parecer simples dizer logo de cara "sim, eu vou respeitar todas essas diferenças", mas acredite não é. Uma coisa é falar da boca pra fora e outra pelo coração, seja sempre sincera consigo mesma para ser sincera com o seu habibi, não tente camuflar ideias pelo simples fato de estar apaixonada, lembre-se que é com essa pessoa que você irá passar todos os dias da tua vida.

"Mas ele e a família estão me pressionando a me converter". Nenhum muçulmano pode obrigar um não muçulmano a se converter, se ele e/ou a família estão fazendo isso contigo, saiba que eles estão cometendo um haram. A conversão deve ser algo feito de coração, é um elo que você cria com Deus, tem que ser sincero e não imposto pelos homens, mesmo que esses sejam seu habibi e sua família. 

Mas então digamos que você queira se converter ao Islam por amor ao seu habibi. Pare e pense mais uma vez, é um conselho meu. Conversão não é só dizer Allah Akbar, jejuar no Ramadan e orar 5 vezes ao dia. Nem mesmo colocar um hijab na cabeça e depois tirar. Hijab não é uma peça de roupa, é um símbolo religioso, isso mostra que você segue o Islam e também pratica os ensinamentos dele, inclusive muitas meninas muçulmanas de nascimento se preparam ao longo da vida e esperam o momento certo para colocar o hijab. 

Caso você tome a decisão de se converter você tem que fazer isso com o coração aberto e não como se fosse uma obrigação, você está firmando um compromisso com a religião, com Deus, com a comunidade islâmica, com tradições, preceitos, com um livro sagrado... converter-se significa que você anteriormente possuía uma crença e a abandonou para seguir outra que para você é melhor. Você vai adotar um modo de vida novo, que vai ter reflexo em toda a sua vida, desde as situações cotidianas, até na criação de seus filhos e visão de sociedade. Pense nisso e tenha muita clareza naquilo que quer e vai fazer, caso decida, faça por amor única e exclusivamente à Deus, pois é isso que importa aos olhos d'Ele. Uma conversão não sincera, de nada valerá, nem pra Deus, nem pra comunidade islâmica e nem pro seu habibi.

Então, não deixe de conversar, pergunte ao seu habibi sobre a religião, peça ajuda a outras muçulmanas, convertidas ou não, se quiser vá à mesquita, se informe ao máximo, converse quantas vezes for necessário e use o tempo que for necessário para que todas as suas dúvidas e aflições sejam sanadas.

Independente da sua crença e da decisão que irá tomar, sempre seja racional e de espírito reto, assim você será feliz e consequentemente fará quem te ama e os que vivem ao seu redor felizes também, não seja precipitada para não se arrepender e se machucar depois.

beijos beijos

2 comentários:

Leticya Gontijo disse...

Oi Juh!
Bom ler seus post, adoro quando entro na minha lista de blogs e o Segredos do Maghreb está lá com mais um post fresquinho só me esperando ^-^

Você tocou em um assunto interessante, muitas meninas acham que o simples fato de arrumar um habibi que as aceitem como são será suficiente para produzir um casamento duradoura e a criação dos filhos. Ledo engano, tenho vivido esse drama na preparação do meu casamento... Caso só aqui? só lá na Índia? Qual o tipo de cerimônia? E a sogra, tio, periquito aceitarão numa boa? Qual religião abordar aos filhos futuramente?

Nooossa como é trabalhoso lidar com diferenças religiosas, mina sorte é que ele (vulgo noivo hihih) não é religioso e aceita tranquilamente vários aspectos cristãos, inclusive apesar de se intitular hindu não segue o vegetarianismo e também não frequenta os templos, enfim não praticante; Mas ambos adoramos comemorar vários festivais religiosos como Holi(festival das cores hindu), diwalli (festival das luzes), natal, páscoa e afins rsrsrs

No meio dessas divagações me surgiu, até mesmo, uma idéia para um post ^^ rsrsrs Como sempre adoro suas opiniões e explanações sobre 'nosso tipo' de relacionamento.

Beeeijos

Juliana disse...

Oii! hahahaha que bom que gosta do bloguinho! =)

Eu também vivo esse dilema, haja vista que eu não sou religiosa e ele sim..mas ainda bem que boa parte dos dilemas já foram resolvidos, como por exemplo os filhos (beeeeeem futuramente) e também datas, etc... porém muitas pessoas não se atentam à isso e quando a realidade de casados chega que muitos se arrependem de não ter conversado sobre isso...fora essa questão de meio que "obrigar" a pessoa se converter, seja dos dois lados...queira nós ou não religião pesa muito em uma escala global na nossa sociedade em muitas questões.

Que bom que ele não é tão religioso e ambos se aceitam, o relacionamento de vocês com certeza será muito próspero, inshaallah! Eu acho liiiiiindo o Holi! Eu até fui ano passado, o diwalli eu não conheço, digno de um post hehe!!!

Obrigada pelo carinho de sempre ♥ bjoooocas

Postar um comentário

Atenção: Comentários islamofóbicos, antiárabes, antissemitas e que ofendam uma etnia, nacionalidade ou religião/crença não serão aceitos nem tolerados.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Powered by Blogger