Subscribe Twitter Facebook

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Check-in Argélia: Argel, a Branca

Hellooooooooooooo people! Conforme eu havia dito ontem (pra quem não viu clique aqui), agora o blog contará com uma nova tag: o Check-in Argélia. Então nada melhor do que conhecermos um pouco da capital do país, não é mesmo? Então simbora!

Baía de Argel - Farouk Baitiche / AFP

Argel é a capital e maior cidade da Argélia e principal centro financeiro, cultural e mercantil da Argélia, localizada no norte do país, sendo banhada pelo Mar Mediterrâneo. É também apelidada de Alger, la Blanche ( Argel, a Branca), pela linda vista que resplandece dos edifícios brancos que sobem a encosta, vistos do mar.

História Antiga e Recente:

A cidade de Icosium (que situava-se onde hoje se encontra o bairro marítimo de Argel), foi fundada pelos Fenícios no século IV a.C. e, sob domínio romano obteve o estatuto de cidade Latina pelo Imperador Vespasiano. A rue de la Marine segue o alinhamento de uma antiga rua romana. Existiam cemitérios romanos perto de Bab-el-Oued e Bab Azoun.
A cidade atual foi fundada em 944 por Buluggin ibn Ziri, o fundador da dinastia Zirid-Senhaja, que foi destronada por Rogério II da Sicília em 1148. Antes dessa data, já haviam perdido Argel, que em 1159 foi ocupada pelos Almóadas, tendo sido dominada pelos sultões Zianidas do Reino de Tlemcen a partir do século XIII
.

Nominalmente parte do sultanato de Tlemcen, Argel desfrutava de considerável autonomia, sob os seus próprios emires, sendo Orã o principal porto dos zianidas. A ilhota em frente do porto de Argel, posteriormente conhecido como Penon, foi ocupada pelos Espanhóis em 1302. A partir daí, cresceram as trocas comerciais entre Argel e a Espanha. Argel continuou a ser uma cidade relativamente pouco importante até a expulsão dos mouros da Espanha, quando muitos deles procuraram asilo na cidade. Em 1510, depois de ocuparem Orã e outras cidades da costa africana, os espanhóis fortificaram o Penon. Em 1516, o emir de Argel, Selim b. Teumi, convocou os irmãos Arouj e Khair-ad-Din (Barbarossa) para expulsar os espanhóis. Em Argel, Arouj tramou a morte de Selim e apoderou-se da cidade. Khair-ad-Din, sucedeu Arouj, expulsou os espanhóis do Penon (1550) e fundou o pashalik, depois deylik, de Argel.

A cidade foi conquistada pelos turcos e tornou-se parte do Império Otomano. O governador da cidade era independente de Constantinopla, e Argel se tornou o principal centro dos piratas da Barbária. Em Outubro de 1541, o imperador Carlos V tentou conquistar a cidade, mas uma tempestade destruiu grande número dos seus navios. Seu exército de 30.000 homens, na sua maioria espanhóis, foi derrotado pelos argelinos sob o comando do pasha, Hassan. A partir do século XVII, Argel livrou-se do controle otomano e se manteve na periferia das economias otomana e a europeia, com a sua existência dependente do Mediterrâneo, cada vez mais controlado por navios europeus, apoiados pelas marinhas europeias. Argel voltou-se para a pirataria e várias nações europeias fizeram repetidas tentativas para subjugar os piratas que perturbavam a hegemonia europeia no Mediterrâneo ocidental. Em 1816 a cidade foi bombardeada por um esquadrão britânico comandado por Lord Exmouth, auxiliado por vasos (navios) de guerra holandeses. A frota dos corsários foi incendiada.


Bombardeio de Argel - Thomas Luny - Óleo sobre tela - 1820


Em 4 de Julho de 1830, sob o pretexto de uma afronta ao seu cônsul (a quem o dey tinha batido com um enxota-moscas quando afirmara que o governo francês não estava preparado para pagar as suas substanciais dívidas a dois mercadores judeus argelinos), um exército francês comandado pelo General de Bourmont atacou a cidade, que capitulou no dia seguinte. De 1830 a 1962, a história de Argel confunde-se com a história da Argélia, e as suas lutas com as da França.


Cidade e Porto de Argel - 1920 - Domínio Público

Em 1962, após uma sangrenta luta pela independência, em que morreram centenas de milhares de argelinos (um milhão, segundo a história oficial da Argélia) nas mãos do exército francês e da Frente de Libertação Nacional (Front de Libération Nationale ou F.L.N.), a Argélia ganhou finalmente a sua independência, com Argel como a sua capital. Apesar de ter perdido a totalidade da sua população de origem europeia (Pied-Noir), a cidade sofreu uma grande expansão. Atualmente, tem cerca de três milhões de habitantes (c. 10% da população da Argélia). Os seus subúrbios cobrem a maior parte da planície de Metidja. Argel se tornou uma cidade moderna. A exploração e comercialização de gás natural em suas proximidades movimentou a economia da cidade, apesar de o progresso ter sido interrompido em 1992 quando o governo, apoiado pelos militares, anulou uma eleição que havia acabado de perder para um partido islâmico. A violência resultante, durante o qual cadáveres eram regularmente jogados e expostos nas ruas, prejudicou a imagem da cidade e atraiu uma forte desconfiança que só agora, e muito lentamente, começa a se dissipar.

A cidade: 

Costa de Argel vista da Basílica Notre Dame D'Afrique - Damien Boilley
A cidade é constituída por duas partes: a parte moderna, construída em terreno plano junto à costa, e a antiga cidade dos deys, que sobe a encosta inclinada por trás da cidade moderna, e que é coroada pela kasbah (cidade islâmica), 120 metros acima do nível do mar. Entre os muitos pontos de interesse de Argel, incluem-se o bairro da kasbah, a Praça dos Mártires, os edifícios do Governo , as mesquitas Grande, Nova, e Ketchaoua, a catedral Notre Dame d’Afrique, o Museu Bardo (uma antiga mansão turca), a velha Biblioteca Nacional de Argel (Bibliotheque Nationale d'Alger, um palácio turco construído em 1799-1800), e a nova Biblioteca Nacional. De acordo com estimativas de 2012, a população de Argel é de 2 364 230 habitantes. Aproximadamente 3% dos habitantes da cidade são estrangeiros, oriundos principalmente da China, Vietnam e Mali. A cidade teve um aumento populacional entre 1960 e 2008, passando de 900 mil habitantes para 2,3 milhões de habitantes. A língua mais falada em Argel é o árabe, porém o francês também desempenha um papel essencial principalmente no turismo e comércio. No transporte existem as linhas de ônibus e também o metrô, que possui por enquanto 1 linha (vermelha) com 10 estações, passando pelos principais pontos da cidade. Está em operação desde 2011.


Interior de um vagão do Metro de Argel

Estação Tafourah


Pontos turísticos: 

- Notre Dame d'Afrique
- Monument des Martyrs (Maquam E' chahid)
- Praça do Emir Abdelkader
- Grande Poste de Argel
- Jardim D'Essai du Hamma
- Kasbah D'Alger
- Mesquita de El Jdid
- Mesquita de Ketchaoua 
- Grande Mesquita de Argel (Rue de la Marine) - A mesquita mais velha do kasbah de Argel, construída em 1097 pelo Sultão Ali ibn Yusuf.

Cidades irmãs:


  • República Popular da China Pequim, China
  • Alemanha Berlim, Alemanha
  • Tunísia Tunes, Tunísia
  • França Paris, França
  • Canadá Montreal, Canadá
  • Reino Unido Londres, Reino Unido
  • Turquia Esmirna, Turquia
  • Líbano Tiro, Líbano
  • Chile Santiago, Chile
  • Bulgária Sófia, Bulgária
  • Rússia Moscovo, Rússia
  • França Bordéus, França
  • Espanha Barcelona, Espanha
  • Suíça Genebra, Suíça
  • Estados Unidos Washington, D.C, Estados Unidos
  • Itália Roma, Itália
  • Países Baixos Amesterdão, Países Baixos
  • Emirados Árabes Unidos Dubai, Emirados Árabes Unidos
  • Brasil São Paulo, Brasil
  • Argentina Buenos Aires, Argentina
  • República Popular da China Xangai, China
  • Egito Cairo, Egito
  • Líbia Trípoli, Líbia
  • Senegal Dakar, Senegal
  • Somália Bosaso, Somália
  • Marrocos Rabat, Marrocos

Notre Dame D'Afrique

Grande Mesquita de Argel - Farouk Baitiche

Antiga Mansão turca na Casbah
Interior do Grande Poste de Argel - lindo né?

Monumento do Martir

 Eu ia colocar mais algumas fotos, mas achei uns vídeos MUITO legais gravados em Argel, segue abaixo: 


Podem ver como existem mulheres andando sozinhas, com vestes muçulmanas e também com roupas "comuns" (jeans e camiseta), e olha que eu vi jeans até que apertado hein! Essas imagens foram feitas na região do Grande Poste de Argel, eu amei, deu até pra ver o Mar Mediterrâneo no fundo <3


Agora na histórica Casbah, comida de rua


Pra finalizar, segue vídeo de uma feira na Casbah (igualzinho no Brasil)



E esse foi o primeiro Check-in Argélia! Gostaram? Quer a cidade do seu habibi? Quer deixar uma sugestão? Escreve aqui embaixo nos comentários

um beijão a todas as minhas habibas queridas!

Fontes: 1 2 3 


0 comentários:

Postar um comentário

Atenção: Comentários islamofóbicos, antiárabes, antissemitas e que ofendam uma etnia, nacionalidade ou religião/crença não serão aceitos nem tolerados.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Powered by Blogger